Casal Cozinha https://www.casalcozinha.com.br Blog sobre o dia a dia gastronômico de um casal apaixonado por culinária e viagens. Receitas, dicas, truques, curiosidades e muito mais! Mon, 30 Jul 2018 16:57:18 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.9.8 https://i2.wp.com/www.casalcozinha.com.br/wp-content/uploads/2016/11/cropped-logo-desenho-2.png?fit=32%2C32&ssl=1 Casal Cozinha https://www.casalcozinha.com.br 32 32 Peixe esperto não nada contra a corrente https://www.casalcozinha.com.br/peixe-esperto-nao-nada-contra-a-corrente/ https://www.casalcozinha.com.br/peixe-esperto-nao-nada-contra-a-corrente/#respond Mon, 30 Jul 2018 16:57:18 +0000 https://www.casalcozinha.com.br/?p=8013 Todo mundo tem o seu cantinho no mundo, não é? Aquele lugarzinho que parece colo de mãe. O meu é o Peixe Boi e sentindo decepcionar uma galera, venho informar que a PERFEIÇÃO não existe. O que existe é almoço muito agradável, comida gostosa, atendimento cortês. E mesmo você tendo experimentado isso várias vezes no […]

O post Peixe esperto não nada contra a corrente apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
Todo mundo tem o seu cantinho no mundo, não é?
Aquele lugarzinho que parece colo de mãe. O meu é o Peixe Boi e sentindo decepcionar uma galera, venho informar que a PERFEIÇÃO não existe. O que existe é almoço muito agradável, comida gostosa, atendimento cortês. E mesmo você tendo experimentado isso várias vezes no mesmo lugar, às vezes “dá ruim”.

Tinha um almoço marcado com duas amigas e na hora de escolher o restaurante sugeri que fôssemos no “Peixe” (falo “O Peixe” porque a gente tem intimidade) lembrança afetiva incitada por post aqui do grupo. Acontece que apesar de ser “cliente de cartelinha”, nunca tinha ido lá em dia de semana.

Chegamos, eu duas amigas e um pré-adolescente entediado. O lugar que é pequeno, estava apinhado. Um entra e sai de estação de metrô, fila, gente, fila, gente. Devíamos ter prestado atenção aí, escutando aquele “instinto ciliada” e dado no pé. Não fomos.

O pré-adolescente entendiado, conseguiu tirar o olho do celular por 45 segundos pra fazer o pedido de um PF customizado com aquela expressão irritante de que está fazendo um enorme favor pra gente. Minha amiga foi na dele e eu embarquei no pedido da outra amiga: moqueca de Badejo que está no cardápio tradicional da casa (serve até 3, R$119,00).

Avisadas de que a moqueca demoraria cerca de uns quarenta minutos, pedimos para que os PF’S viessem primeiro. Entradinhas de espetinho de camarão e pasteizinhos sortidos, delícia conhecida.

Nesse interim (acho chic gente que fala assim), vimos rodar boas dezenas de PF’S (customizados ou de raiz) a nossa volta. De novo ignoramos os sinais.

O PF da minha turma não chegava, saquei que não tinham entendido o pedido porque a moça que estava nos atendendo, encarnou a Dory naquele dia. Gol pra mim. Um pouquinho mais de espera e chegaram os pratos, com os pontos da carne ao “ponto do chef”, mas a comidinha honesta e saborosa.

Os quarenta minutos da nossa moqueca deram cria e como a conversa estava animada, três mulheres tentando falar ao mesmo tempo não foi ruim esperar. Então, eis que chega a gloriosa! A emoção foi tanta, que ao invés das tradicionais fotos que faço, quis fazer também um filminho apesar do meu estômago não concordar em nada com isso.

Arroz, pirão delícia e grandes cubos de peixe nadando naquela infusão mágica que a genial Bahia pariu. Só que os sinais que teimamos em ignorar agora gritaram alto, assim que o garfo partiu o peixe. Minha companheira de aventura, que tem um poder de síntese muito melhor que o meu (coisa que não é nada difícil) declarou: “está tão seco que se pegar com os dedos vira farinha”. Sem querer entrar no mérito da responsabilidade, se da qualidade do insumo ou do modo de preparo, mas nesse caso, podemos dizer que aquele bichinho morreu em vão.

Comemos muito menos que a nossa fome merecia. O caldo tinha o mesmo sabor fantástico, mas o peixe…Ah “O Peixe”! Minha amiga decidiu reclamar e o responsável pela casa concordou conosco, só de olhar. Se desculpou e disse que não cobraria. EU, EU, (e somente posso falar por mim o que é uma pena, mas aceitar isso faz a gente viver melhor) intervim e recusei educadamente a oferta do rapaz e disse que pagaria por aquilo que eu havia consumido, mesmo não correspondendo às expectativas. “O Peixe” entende do riscado e por outras vezes fui feliz naquelas panelas de ferro como os ratinhos que caíram no caldeirão de feijoada. Consumi, pago; “incomível” devolvo. Meu mundo, minhas regras (não sei porque, mas pensei agora que isso daria um bom slogan para comercial de absorventes).

O garçom ainda tentou oferecer que preparassem outra, mas eu o confortei dizendo “está tudo bem, problemas acontecem e a gente sobrevive!” tipo conselho de irmã mais velha, sabe? As vezes a gente faz a escolha errada não pelo lugar e sim pela ocasião e a eleição do pedido. E como dizia o Geninho… [pausa explicativa aos que tem menos quilometragem rodada: ancestral distante de Avatar que se escondia durante os desenhos da percursora do empoderamento feminino She-ha] a lição que aprendemos hoje é, se for ao “O Peixe” durante o almoço executivo da semana peça o almoço executivo, ora bolas! E se atente sempre aos sinais que a vida te dá. Por hoje é só, amiguinhos! Até a próxima “O Peixe”!

O post Peixe esperto não nada contra a corrente apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
https://www.casalcozinha.com.br/peixe-esperto-nao-nada-contra-a-corrente/feed/ 0
Quantidade ideal de gordura e sal na linguiça caseira https://www.casalcozinha.com.br/quantidade-ideal-de-gordura-e-sal-na-linguica-caseira/ https://www.casalcozinha.com.br/quantidade-ideal-de-gordura-e-sal-na-linguica-caseira/#comments Thu, 19 Apr 2018 12:01:00 +0000 https://www.casalcozinha.com.br/?p=8002 Independente do tipo de carne usado na preparação (boi, frango, porco, frutos mar, etc) o ideal é que linguiça tenha na receita entre 20% e 30% de gordura (o melhor é usar a gordura suína) e 20g de sal por Kg de carne. 

O post Quantidade ideal de gordura e sal na linguiça caseira apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
Independente do tipo de carne usado na preparação (boi, frango, porco, frutos mar, etc) o ideal é que linguiça tenha na receita entre 20% e 30% de gordura (o melhor é usar a gordura suína) e 20g de sal por Kg de carne.

O post Quantidade ideal de gordura e sal na linguiça caseira apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
https://www.casalcozinha.com.br/quantidade-ideal-de-gordura-e-sal-na-linguica-caseira/feed/ 1
Olha o Guaja aí gente!!! https://www.casalcozinha.com.br/olha-o-guaja-ai-gente/ https://www.casalcozinha.com.br/olha-o-guaja-ai-gente/#respond Wed, 18 Apr 2018 12:52:08 +0000 https://www.casalcozinha.com.br/?p=7997 Guaja

GUAJA. Um lugar, um conceito, uma corrente, uma confluência, um laço, um passo... vários. Porque por lá ninguém caminha sozinho e se queres chegar longe amigo, te aconselho que faça essa caminhada acompanhado!

O post Olha o Guaja aí gente!!! apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
Guaja

No ano de 2017 o termo “fake news” (notícia falsa) foi eleito a palavra do ano com direito a virar verbete de dicionário. Foi aplicado e alastrado mais que a peste negra e teve efeitos análogos. Aquele senhor alaranjado de topete de calopsita surtada foi um consumidor voraz e estrategista dessa expressão. Banqueteou-se dela a fim de vencer a eleição em uma nação que similarmente à nossa, vem se entregando a princípios extremistas e intolerantes diante de um quadro de desesperança corrosiva.

O outro lado da moeda é que o termo “compartilhamento” (sharing) também se mostrou cada vez mais presente e veio tomando corpo através de redes fundamentais para salvaguardar a continuidade da nossa existência por aqui. Muito dramático? Não, acredite. O limite de uso, abuso e estupro do nosso planeta já venceu, caducou mesmo; e já estamos nos minutos finais da prorrogação. E se você pensa que não tem nada a ver com isso te asseguro que você não entendeu nada. Cuidado que em alguns casos a ignorância (ativa e passiva) pode ser fatal.

Apesar do lado negro da força e das atrocidades de que somos capazes de fazer, existe uma sementinha em nós, em quem já foi criança um dia, que diz que o “bem vence o mal e afasta o temporal”. E é exatamente aí que entra o GUAJA. Um lugar, um conceito, uma corrente, uma confluência, um laço, um passo... vários. Porque por lá ninguém caminha sozinho e se queres chegar longe amigo, te aconselho que faça essa caminhada acompanhado!

Eu e uma amiga fomos fazer um esquenta (ou “esfria” melhor definiria porque a temperatura já era altíssima) para o show da sua majestade, o todo bom, Chico Buarque de Holanda. Fiz um check-in simpático e rápido que não tinha nenhuma intenção de me tratar como um mailing ao invés de pessoa e então recebi meu passaporte de entrada para esse mundo. A casa (arquitetonicamente esplendorosa) tinha aberto às 18h, cheguei meia hora depois e já estava lotada. Nos espaços divididos, mas conectados, reservados mas especulares aconteciam palestras, apresentações, confraternizações. Logo na entrada uma mulher, com a cabeça e corpo cobertos vestida conforme as muçulmanas, falava para uma pequena plateia apontando para uma espécie de planta baixa projetada no quadro. Pensei, cool!

 E essa sensação de descolado, inusitado e incomum foi se confirmado em todos os lugares nos quais os meus olhares pousavam. Eram vitrines de pessoas! Pessoas que despertavam um interesse imediato e magnetizante. Por que até onde eu sei, gente gosta é de gente e a gente só se faz gente no contato com outra gente. Apesar disso, às vezes, parecer cair em desuso e vez por outra seja necessário tomar uma certa distância de segurança.

E assim eu fui desvendando o GUAJA e sendo fisgada por ele. Um ambiente cuja concepção primária é unir pessoas, ideias, propostas e através desse compartilhamento de espaço e experiências, buscar transformar (pelo menos o nosso entorno) o mundo em um lugar muito mais legal e viável. Fui logo pensando se o Cérebro (aquele ratinho sagaz que dividia suas desventuras com o comparsa abestalhado Pinky na tentativa de dominar o mundo) tivesse tido essa iniciativa, sua ambição haveria de ter logrado êxito.

Lá no GUAJA você se sente realmente em outro planeta e sabe qual é a mágica disso? Não, não colocam “boa noite cinderela” no seu drink (convidativíssimos e com um divertido tempero feminista, diga-se de passagem) mas o feitiço se dá através da união e compartilhamento de DIVERSIDADES. A gente está tão acostumado a medir, parametrizar, classificar e enformar tudo que vamos perdendo o paladar e com isso a capacidade de sentir os diferentes sabores da vida. E tudo, coisas e pessoas, passam a serem vistos através do vidro da sauna, sem a definição e a vivacidade precisas. Lá no GUAJA tudo pulsa. Os sorrisos são mais sorrisos, os abraços mais apertados e o brilho nos olhos não foi gerado pelo efeito do app de edição de fotos.

E eu já que estava satisfeita só de ficar ali, ob-ob obeservando estrelas, quando depois de duas Heinekens geladas e servidas para tomar no bico (lembrando de como é bom sugar a vida no guti guti) chegaram os nossos sanduíches. Todos com nomes de edifícios icônicos de Belo Horizonte, aquela obra se tratava de uma construção de responsa. Edificante em/para todos os sentidos.

Fui apresentada ou IBATÉ30. Pão de brioche com gergelim (sovados por mãozinhas de anjos barrocos), blend de carnes (úmidas, no ponto mais que perfeito; ouvem-se harpas) queijo minas (uma das melhores coisas que temos na existência humana; obrigada Jesus por me desembarcar por aqui), tomate grelhado com ervas, crisp de ora-pro-nóbis (outra cosa nostra que me fez descobrir que não faz uma parceria de sucesso apenas com o franguinho refogado) e ketchup de goiabada (tks again Jejé), R$32. Minha amiga ascendeu ao SULAMÉRICA (vegano). Pão de figo, (como se faz isso, minha gente?)  hambúrguer de grão de bico (nossos hormônios femininos agradecem) e espinafre, guacamole (Dios proteja la producción mundial de avocado, amém!), alface roxa e crisp de manjericão, R$31.

Era sim um prelúdio de uma noite feliz. Devidamente batizada e iniciada no estilo GUAJA de ser, me nivelei aos outros convivas paradoxalmente diferentes e análogos. Entrei para o clube.

E assim, tomado esse banho de pertencimento e tendo finalizado com borrifadas de “interessância” me refiz; refrescada, leve e toda perfumosa. Aromatizada de gente. Segui pro meu encontro com Chico, a mais feliz das criaturas, confiante de que através dessa corrente poderosa, o mundo seja mais factível. Eu estava absolutamente pronta pra mergulhar naquele par de olhos tímidos e transparentes e viver toda a poesia que há na vida.

O post Olha o Guaja aí gente!!! apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
https://www.casalcozinha.com.br/olha-o-guaja-ai-gente/feed/ 0
BOCA FOI FEITA PRA CUMÊ! – MERCADO DA BOCA https://www.casalcozinha.com.br/mercadodaboca/ https://www.casalcozinha.com.br/mercadodaboca/#comments Thu, 22 Mar 2018 16:58:02 +0000 https://www.casalcozinha.com.br/?p=7990 Mercado da Boca

Estive lá no primeiro final de semana de abertura ao público. Com um frio na barriga confesso, porque minha expectativa era de estar a caminho de um show dos Rolling Stones, gratuito, na praça principal do centro de Tóquio no único feriado anual do calendário japonês.

O post BOCA FOI FEITA PRA CUMÊ! – MERCADO DA BOCA apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
Mercado da Boca

Primeira vez no Mercado da Boca

 

Se alguém ainda não viu o vídeo do título acima, dá uma googada rápida aí. O garotinho resumiu em duas frases as minhas maiores certezas da vida: “boca foi feita pra cumê. Eu fui feito pra cumê”.  Dito isso, declaro que achei absolutamente genial a escolha do nome do mais recente e original espaço gastronômico de Belo Horizonte (que fica em Nova Lima, mas c'est tout la même chose):  MERCADO DA BOCA.

Estive lá no primeiro final de semana de abertura ao público. Com um frio na barriga confesso, porque minha expectativa era de estar a caminho de um show dos Rolling Stones, gratuito, na praça principal do centro de Tóquio no único feriado anual do calendário japonês (não sei se eles curtem Stones, mas não perderiam a oportunidade de tirar fotos, né?). BH adora uma novidade e a gente merece muito.

Com a tática de guerrilha traçada, cheguei ao Boca exatos 03 minutos após a abertura, já contando com o tempo de estacionar o carro. Parei no serviço de valet, que fica no subsolo do mercado para ganhar tempo na minha cruzada. Não recomendo, 10 pilas a hora, mas a causa era maior. Os guichês (em número suficiente e presentes nos dois pisos) já apresentavam pequenas filas. Marido fez cara de choque, acho que na encarnação passada ele foi o pequeno Nikolai, obrigado por sua mãe a enfrentar diariamente a gigantesca fila do pão durante o regime soviético. Traumatizou, coitado.

Compramos o cartão de acesso (fof’s) carregamos com bem muitos dinheiros porque a gente tinha o pressentimento que a farra ia ser boa. Vale registrar que ficam circulando várias pessoas com boquinhas ao estilo antenas de Chapolin para recarregar o seu cartão de pronto. Então, se você tem filhos lembre da cara deles quando viram papai noel pela primeira vez. Se não tem, puxa aí a memória da sua infância. Situou? Era esse o nosso semblante admirando aquela vastidão de “lujinhas”. Mexicano, brasileiro, espanhol, italiano, português, francês, refugiado... uma verdadeira ONU gastronômica. E assim ficamos, em estado de graça, rodando como peões encantados ao sabor dos prazeres da Boca.

De repente piscamos os olhos e vimos que o lugar estava cheio, como esperado. A gente ainda não tinha comido nada, somente tacinhas de vinho dançando nas mãos. Nikolai reincorporou e tratamos de fazer uma escolha apressada, retomar a nossa tática de guerrilha e sair em busca de abrigo (aka lugar para sentar). Lá eles usam o sistema de enviar um SMS para seu o celular quando o pedido estiver pronto, melhor impossível.

As mesas funcionam de forma compartilhada, mas geral não entendeu isso ainda. Vimos vários lugares vazios, pedimos licença para sentar e a resposta foi a mesma: tem gente! Gente invisível, novo gênero na praça. Depois as pessoas passaram “marcar” lugares, com bolsas, celulares e até com óculos escuros. Me fez lembrar os tempos de escola que a gente guardava a carteira do lado para o coleguinha mais querido. Enquanto isso o pau comendo lá fora. Filas ziguezagueando o mercado sob o sol da Toscana (com menos glamour, já que beleza natural não é o forte da vizinhança).

Sentamos num cantinho escondido em frente ao espaço da La Macelleria. A localização não era privilegiada, mas era o cheiro era. Senhor! O paraíso deve ter esse cheiro. Abre o olho, treme o celular; chega o SMS, pedido pronto. Mexicano pra compartilhar, foi o que conseguimos decidir de supetão. Tudo muito gostoso, ficou devendo a tortilla de maiz, aparentemente sem a cal que dá a textura correta. Depois, altamente influenciados pelo aroma circundante, comemos um primoroso contrafilé de Wagyu, padrão Flintstones. Depois veio um camarão delícia com molhinho de rapadura e abacaxi, (esqueci de onde) e Stake Tartar do Alma Chef, bem feito, mas com sal além da conta.

Tacinhas de vinhos educadas para acompanhar os quitutes até depararmos com um charmoso quiosque na curva do segundo andar, em frente a loja de vinhos. Garrafas estampadas com bolinhas de cores variadas fisgaram os meus olhos infantis. Eram sangrias, de vinho branco, tinto e cava.  Umas daquelas coisas da vida que quem tem problema com limite não deveria experimentar. Mas como a gente não faz só o que deveria, mergulhamos na sangria.

Foi uma tarde cheia de boas surpresas. Em dada hora, quando estavam com a lotação máxima, seguraram as filas lá de fora e passaram a funcionar no esquema de entrar só o número de pessoas que saíssem. Cuidado fundamental para o bom andamento das coisas, mas raro de se ver. Todo mundo que está envolvido no projeto, os atendentes, empreendedores, chefs, ajudantes, boquinhas Chapolim, pessoal da limpeza, segurança... todos com quem cruzei demonstravam estar muito orgulhos de fazerem parte daquele lugar.

Tudo que pedimos veio gostoso e com um bom tempo de execução. Não vimos tumulto ou confusão, tudo fluindo bacana e coerente com o porte do lugar. O espaço é um capricho só, já frequentei alguns lugares afins na gringa e posso dizer que a minerada tá fazendo bonito. Puxão de orelha para a climatização. Não vi ar condicionado, só ventilação que não foi suficiente pra vencer o calor do dia. Tava um calor da muléstia! A acústica também precisa ser revista (ou feita, porque acho que não houve nenhum tratamento nesse sentido), não dá pra escutar a música ambiente e é preciso falar bem acima do tom.

Não, não é um mercado como ouvi muita gente queixar. O foco não é expor produtos, muitas vezes in natura, para a venda ao público. Mas o conceito despojado, aconchegante e agregador de um mercado está presente ali sim. Se fôssemos nos apegar à definição mais precisa, seria adequado classificar como uma food court, ou praça de alimentação. Mas será mesmo que a gente precisa se ater a tamanho preciosismo?

A gestação foi longa, Mercado da Boca, mas o filho saiu no capricho. Orgulho de ter algo assim por aqui. Sinto um cadinho mãe também (afinal filho bonito tem um monte de gente reivindicando a paternidade, né?) como amante da gastronomia e dos prazeres da boa mesa. Sei que falta muita coisa para ajustar principalmente dado o furor da estreia. Mas, estou boquiaberta com a façanha e desejosa de um sucesso à altura do arrojo e esmero do empreendimento.

Agora de boca vazia, como manda a boa educação, evoco a função secundária da boca pra dizer:

Seja muito bem-vindo, Mercado da Boca. Obrigada por existir!

O post BOCA FOI FEITA PRA CUMÊ! – MERCADO DA BOCA apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
https://www.casalcozinha.com.br/mercadodaboca/feed/ 18
O Restaurante WEAK anda destratando as visitas https://www.casalcozinha.com.br/o-restaurante-weak-anda-destratando-as-visitas/ https://www.casalcozinha.com.br/o-restaurante-weak-anda-destratando-as-visitas/#respond Mon, 15 Jan 2018 12:34:21 +0000 https://www.casalcozinha.com.br/?p=7965 RESTAURANTE WEEK

Não, não se trata de um erro de digitação ou um lapso rude que o meu Inglês de pronúncia albanesa cometeu. O Restaurante Week se transformou em Restaurante Weak. Afirmo e desenho como poderão verificar na sequência.

O post O Restaurante WEAK anda destratando as visitas apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
RESTAURANTE WEEK

O RESTAURANTE WEAK ANDA DESTRATANDO AS VISITAS

Não, não se trata de um erro de digitação ou um lapso rude que o meu Inglês de pronúncia albanesa cometeu. O Restaurante Week se transformou em Restaurante Weak. Afirmo e desenho como poderão verificar na sequência.

Fraco, vamos combinar, é o jeito polido de se dizer quando algo está uma bosta. “Você assistiu àquele (essa crase aqui tem razões estéticas porque ninguém perguntando prosaicamente irá se lembrar da transitividade do verbo) novo filme com o George Clooney”? “Assisti. Achei meio fraco”. Percebe? Jeito delicado de dizer: “Achei uma bosta”. E tão bosta que nem o Ney (se aquele pedaço tivesse nascido no Brasil teria o apelido de Ney porque a gente tem talento pra fuder com tudo) conseguiu salvar o filme é porque é um filme bostão mesmo. Então, além de ter achado que o trocadilho ficou bacana (cada um tem suas taras, respeite a minha) eu não iria escrever que o Restaurante Week virou Restaurante Bosta. Até porque bosta e comida não se misturam apesar de terem o mesmo íntimo, são inexoravelmente separadas pelo fator tempo.

O Restaurante Week marca presença em BH há sete anos, se não me engano. O evento que tem a proposta de democratizar o acesso aos principais restaurantes através de um menu especialmente preparado e vendido a preços convidativos; está definhando. De atrativo restaram só os preços. Ano após ano, só piora. E quando você pensa que já viu de tudo, como costuma dizer um amigo querido, você percebe que o inferno tem subsolo.

Pequenas amostras de práticas que eu vi acontecerem, meninos eu vi! Os registros foram feitos no tempo em que eu ainda insistia em dar credibilidade ao festival. Juro que fui muito persistente, vesti a camisa e posei para foto de cliente do mês em prol do evento. Atualmente o que ocorre é que eu marco o período da realização do Week na minha folhinha (que dependendo do humor parece durar semanas) com intuito de extirpar os restaurantes participantes do meu cardápio de opções. Durante esse período fico de resguardo (ia usar luto mas achei um pouco forte). Vamos aos fatos.

Já vi restaurante reservar espaço “especial” #SQN para os convivas que foram participar do festival de horrores gastronomia. Adaptaram uma espécie de “puxadim, malarumadim” para separar a pipoca do abadá. Dava dó de ver, porque mesmo estando no camarote nessa ocasião, nunca mais voltei nesse restaurante por conta do impacto oriundo de tal cena. Até a louça e paramentações eram “especiais”, acredita?

Tem casa que trabalha com reservas durante o período do Week, só para a turma que investe no cardápio regular. Perguntam sem piedade: “é normal ou Restaurante Week? Desculpe senhor, Week é por ordem de chegada”. Vai boiada! Sabe o esquema do médico que não tem vaga para atender pela Unimed, mas se oferece para ir até a sua casa se a consulta for particular? Sempre achei uma prática pra lá de curiosa.

Também tem a eficaz malandragem de não entregar o cardápiozinho, impresso para a ocasião ao desavisado que chega. Vai que ele não tá sabendo, né? Entrega-se o cardápio da casa, no mais legítimo “vai que cola”. Quando aquele cliente infeliz resolve pedir cardápiozinho maldito, o garçom vai buscar, mas isso envolve uma técnica elaborada. Ele demora um pouco porque está ensaiando o que aprendeu no curso pré-evento. Então amigo, ele surge com uma carranca tão sinistra, mas tão sinistra, que é capaz de meter medo em muito sujeito omi. Além da expressão facial existem outras artimanhas, de caráter subliminar, como a de te tratar como uma ameba leprosa. Esse combo te derrota, te faz sentir um bosta. Desculpa, mas aqui não dá para dourar a pílula. Quando a gente se sente um bosta a gente não faz a egípcia e finge que tá “merdinha”, a gente se sente um bosta com toda a robustidão do termo (ops, I did again!).

Jogo sujo é o truque do sistema de cotas. Já vi dizer que o menu do Week estava encerrado na entrevista inicial mesmo o candidato tendo se declarado afrodescendente com cruzamento índio, egresso do sistema educacional público, deficiente auditivo e manco da perna esquerda. Nada o fará entrar, não tem conversa, o portão está cerrado. Enquanto isso na sala da injustiça o homem branco sempre no comando portando o cardápio “normal” é servido como rei. Alerta para não se criar nesse trecho mimimi relacionado a preconceito. Trata-se só, e somente só de uma figura de linguagem, antítese, para reforçar a oposição Week x Menu habitual, tamo combinado parte chata que habita o mundo travestida de assombração? Voltemos a programação normal.

Um dos poucos restaurantes que eu garrei ódia (porque ódio tem que ser substantivo feminino quando é assim, muito intenso. Basta imaginar uma mulher irada que você entende a necessidade de mudança de gênero) e que adentrei o salão, desavisada do período da pororoca e subsequente suspensão da pesca (forcei a amizade aqui?) e, por infortúnio fui pedir o cardápiozinho cujo o menuzim era:

Entradas: Canjiquinha com Ragu de linguiça OU Salada Verão ao molho cítrico. Principais: Gnocchi ao sugo e manjericão OU Filet ao molho rôti e purê de Baroa. Para a sobremesa eu fiz a Kátia cega e não registrei, mas devia ser algo como guaraná, suco de caju e goiabada.

Eu estava em uma mesa de visão privilegiada, no fundo do salão. Se eu, que estava só vendo não fiquei nada satisfeita imagina as cobaias? É o tipo de cardápio que nem escrito em francês e com olho azul parece sedutor. Com relação à aparência não preciso dizer, né? Já discutimos isso no início do texto, me poupem de ser repetitiva. E para Je que suis macaca idosa (porque velho também não é polido) tem uns truques que os restaurantes safadinhos como esse praticam. A titia aqui vai revelar hoje pra vocês, prestenção aí, turma do fundão! Avaliaremos de acordo com a clássica escala BBB (bom, bonito e barato) e, com um extra para F de molezinha:

1. Canjiquinha. Prepara-se um panelão, se faltar põe água que incha, rende. Bom e barato e F de molezinha. O bonito fica devendo.

2. Ragu. Qualquer carne cozida despedaçada que você provavelmente não identificará de que animal veio (podendo ser de vários, inclusive) jogada por cima de algo que precisa ser coberto porque desnudo não desce. 2B (não é o lápis, menino!) porque também peca no item formosura; plus F.

3. Gnocchi. Esse é triplo B. E costuma ser de farinha ao invés de batata pra render e garantir o B de bonito e o F de molezinha!

4. Molho Rôti nesses lugares sapequinhas, é a junção do fundinho da panela pela qual a carne passou com uma caralhada (às vezes a grosseria se faz necessária, como neste caso em que existe o imperioso de criar impacto) de manteiga. Esse ganha um B ++ no quesito bom porque manteiga é irmã do bacon e se ele é vida, ela é magia. Ou então qualquer molho escuro de pozinho a la pacotim de tempero do Miojo. Devo continuar ou já parti muitos coraçõezinhos até o presente momento? Só mais um porque esse não pode ficar de fora, juro que paro depois.

5. Purê de Baroa. Ou “purezinho” de Baroa para os íntimos. Está melhor ranqueado, segundo dados do Instituto Vox Populi, no quesito popularidade do que a Dengue, Chicungunha e Zica. Somadas! Purê de Baroa - que em hipótese alguma pode ser chamado de purê de mandioquinha, batata Baroa (pirou em fazer alusão à prima pobre?) e treva eterna para quem disser cenourinha amarela - é top das galáxias, darling! Outro dado importante diz que se somarmos todos os nascimentos de Enzos e Valentinas de 2017 não chegamos nem perto da notoriedade dessa papinha luxo. Tá bom, parei. Não vou ser um veículo de desilusão. Eu sou da galera que manda mensagem surpresa em carro de som com a “nossa” música. Não mudarei de time (veículo, carro... vai dando corda).

Será que deu para ilustrar um pouco do que tem acontecido durante a realização do Restaurante Week? Se quisermos eleger uma imagem representativa fechemos nossos olhos e imaginemos muitas bruxas soltas. Então, é dado um sinal inaudível ao ouvido humano e de repente todas elas se reúnem e começam a dançar ao som de Despacito (esse sim, em uma profusão de decibéis). Copiou?

O conceito do evento é excelente e acredito que tentaram, de fato, serem fiéis à essência quando na realização das primeiras edições. Apresentar seu restaurante àqueles que não são seu público alvo em teoria, democratizar a cozinha, promover experiências, ousar... mais aí veio o capeta e ploft! Levou mais essas intenções para a cabaninha dele. Virou uma briga de foice entre o restaurante e o cliente do cardapiozinho. Um jogo de muitos erros e extremo mau gosto.

De tudo só nos resta uma questão: Por que meu Deus, porque? A participação é compulsória? Não, que eu saiba. Não quer ficar fora da “thurma” dos considerados restaurantes bacanudos? Talvez. O que não faz sentido é aderir a um festival cuja sacada é apresentar sua casa a não-clientes habitués e daí você faz “um feio” desses? Se fosse na minha casa o chinelo comia solto porque se eu destratasse a visita, o beliscão escamoteado e a frase dita entredentes “você vai ver o que te espera quando o Sr. Visita for embora” eram o prenúncio da segunda certeza que eu passei a ter. Quem diz que a gente só tem uma certeza na vida não conheceu o chinelo da minha mãe. Eu não sei de muita coisa e concordo com menos ainda, mas tem um ditado sobre uma tal primeira impressão que eu acho muito válido. Se eu recebo visitas pela primeira vez, o mínimo que farei é deixar a casa arrumadinha e tratar as pessoas com consideração, certo?

Então meus caros restaurantes participantes dessa campanha weak e todos os homens de boa vontade... bora tomar um Biotômico Fontoura e firmar os casco? Vamos fazer um evento sacudido pra dar brilho nos olhos do povo? Deixa essa fraqueza só pras Angolas que são entendidas do assunto. A gente não quer só comida, a gente quer

O post O Restaurante WEAK anda destratando as visitas apareceu primeiro em Casal Cozinha.

]]>
https://www.casalcozinha.com.br/o-restaurante-weak-anda-destratando-as-visitas/feed/ 0