Caldo de carne caseiro ou de tabletinho?

Por : | 2 Comentários | On : 30 de janeiro de 2014 | Categoria : Faça em casa

caldo-caseiro

A discussão em torno do uso de caldo de carne caseiro ou industrial é constante, inflamada e provavelmente eterna. Os mais radicais abominam completamente os “infames” tabletes enquanto para os mais práticos a ideia de preparar o  caldo genuíno parece uma completa perda de tempo. Eu acredito, como geralmente acontece com tudo na vida, que a verdade se encontra em algum ponto entre esses dois extremos.

É claro que a qualidade dos ingredientes afeta completamente o resultado de uma receita. Acontece que em toda receita existem os ingredientes chaves e os coadjuvantes. Isso vale também para o caldo de carne. Se estamos falando de um consomê de carne o uso de um bom caldo caseiro é quase obrigatório. Agora será que fará tanta diferença o caldo usado quando falamos de um risoto de funghi? De verdade até mesmo os melhores gourmets terão dificuldade para identificar se foi usado um caldo industrial em um risoto de funghi bem executado.

O maior problema com os caldos industriais não está relacionado a sua qualidade e sim ao uso que as pessoas fazem dele. Ele deveria sempre ser dissolvido em água (1 litro para cada tablete) para se obter um caldo prático, que pudesse substituir os caldos caseiros, só que não é isso que acontece. De um prático caldo instantâneo ele foi promovido a uma espécie de tempero e isso sem que estivesse preparado para assumir tal tarefa. Conheço pessoas que os usam até mesmo para acertar o sal de uma receita. A grande verdade é que nós brasileiros esquecemos como é cozinhar com caldos, sejam eles de carne, peixe, frango ou legumes.

Acredito que responsabilidade por isso tem duas origens: Uma está ligada a falta de tradição na nossa cozinha que por não possuir uma escola própria sempre sofreu enorme influência de outras culturas ao longo da história, sem que isso seja necessariamente ruim. Porém, isso nós faz muito mais flexíveis e abertos a novas técnicas ou ingredientes. Foi justamente essa nossa flexibilidade que aliada ao surgimento dos práticos caldos em tablete praticamente erradicaram os caldos caseiros e com eles a técnica por trás do uso de caldos na preparação de pratos.

Caldo de carne Knorr

O tradicional caldo Knorr surgiu em 1912 e significou uma verdadeira revolução na culinária mundial. A pesar de ser lançado no Brasil apenas em 1961 e ter levado alguns pares de anos para ganhar a confiança da dona de casa brasileira, quando conseguiu se tornou praticamente uma unanimidade. Presente em praticamente todos os lares brasileiros, o caldo em tablete estava em todas as receitas. Como o Brasil da época possuía uma industria fraca e um mercado fechado, praticamente só tínhamos a nossa disposição duas opções de caldos industriais. Enquanto o mundo consumia diversas marcas, sabores e mesmo formatos, nós ficamos reféns da da Knorr e da Galinha Azul. Pode ser que muitos estejam se perguntando quem é essa Galinha Azul?! Realmente ela quase desapareceu do mercado deixando espaço para o caldo Knorr reinar quase absoluto, porém a Maggi foi a percussora na produção de sopas desidratadas e caldos em cubos, tendo lançado o seu caldo 3 anos antes da Knorr.

A verdade é que a dominação do mercado por duas marcas, algo que aconteceu muito no brasil até o final anos 80, inibiu o desenvolvimento de novos produtos por muitos anos. Em mercado da Europa e mesmo EUA o seguimento evoluiu e diversas opções ao tabletes surgiram. Não tenho números para dizer quais são os tipos mais usados, porém é fácil encontrar nesses mercados diversos sabores de caldos (carne, galinha, legumes, etc) líquidos, vendidos em embalagens semelhantes ao leite longa vida. Por lá, os caldos continuaram sendo caldos, seja em pó, tablete ou líquido e seguiram sendo utilizados apenas em receitas onde se depende de um caldo para o cozimento.

Por isso, antes de pensar se deve usar um caldo em tablete ou um caseiro,  pare para pensar se a receita em questão realmente requer um caldo no seu preparo ou se você está simplesmente abrindo mão de um mundo de possibilidades que ervas e temperos proporcionam e se prendendo a uma dúvida que pode simplesmente não existir.

Veja aqui a receita de um delicioso caldo de carne caseiro:

Caldo de carne

Receita de caldo de carne caseiro

Share This Post!

Comentários (2)

  1. postado por Manoel Teixeira em 6 de dezembro de 2015

    Quando clico em qualquer link de qualquer página, como por exemplo, Receita de caldo de carne caseiro acontece o seguinte erro:

    Falha na conexão segura

    Ocorreu um erro durante uma conexão com http://www.casalcozinha.com.br. Não foi possível comunicar-se de forma segura com o sistema remoto: não há algoritmos de criptografia em comum. (Código do erro: ssl_error_no_cypher_overlap)

    A página que você está tentando abrir não pode ser exibida porque a autenticidade dos dados recebidos não pôde ser comprovada.
    Por favor, contate os responsáveis pelo site para informá-los sobre este problema.

    • postado por Alexandre Litwinski em 9 de dezembro de 2015

      Oi Manoel, testei diversas página do site e não consegui simular o problema. O erro continua acontecendo? Será que você pode testar em outro computador? Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE