O sabor do ano novo

Por : | 1 Comentário | On : 7 de dezembro de 2017 | Categoria : Geral

O SABOR DO NOVO ANO NOVO

O SABOR DO NOVO ANO NOVO

 

Uma vez um miniirim que se dizia feito de ferro e tristeza, mas que na verdade era modelado na inexplicável matéria da qual os gênios são feitos, profetizou em poesia uma lição que a gente – teimoso feito só – insiste em ignorar.

Ele disse mais ou menos assim: para ganhar um ano novo, da cor do arco-íris ou da sua paz; não é preciso fazer promessas, tomar champanhe ou chorar de arrependimento. Para ganhar um ano novo que faça jus a esse nome, meu caro, você precisa MERECÊ-LO. “É dentro de você que o ANO NOVO cochila e espera desde sempre”.

Insuflada por esse alinhado tapa na cara decidi que está na hora de por fim à minha gestação de elefante obsoleto.

Meu ano novo vai nascer. Tá decidido. E vai ser novinho em folha. Refrescante e alvo como um sorriso colgate!

E nos muitos acontecimentos felizes e amargos, já que a vida não tem os filtros do Instagram e nem um Waze embutido, que passaram na minha telenovela pessoal neste ano, a profusão final de oxitocina verteu daqui.

Do fluxo de afeto que jorrou a partir da publicação das minhas resenhas prolixas, que vocês, com tanta generosidade e paciência acolheram, comentaram e prestigiaram.

Fazendo com que eu me sentisse orgulhosa da cria como mãe recém parida.

E esse filho nasceu. Na certidão confirmo a filiação: o gosto da escrita e a fome infinita.

Um casal que tem uma relação conturbada, como qualquer consorte trivial, que oscila do ódio ao amor e do júbilo à decepção.

Aqui caros confrades, pude abrir meu peito e partejar meu amor de escrever e meu enamoramento gastronômico.

E como fui feliz! Tanto que já decidi com que cor eu vou pintar o meu ano novo. Vai ser da cor da gratidão!

E em retribuição a essa toda essa energia do bem- recebida, eu prometo (por que a carne é fraca e ninguém consegue ficar sem nenhuma promessa na listinha) lançar pelo menos 365 confetes àqueles heróis da cozinha que nos trazem amor em forma de alimento.

Se disciplina eu tivesse a produção seria diária, mas sou movida por libido.

Como não gosto de finais melodramáticos, os elogios empenhados não virão em substituição à ironia e às talagadas de sarcasmo habitués.

Porque o ano pode ser bom, mas eu nem tanto!

Share This Post!

Comentário (1)

  1. postado por Bruna Silva em 10 de dezembro de 2017

    Muito obrigada, amei s2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE